1989 | AS BASES PEDAGÓGICAS

Em 1989, já ficava claro que a educação brasileira estava passando por uma grande transformação. As pesquisas de Emília Ferreiro e Ana Teberosk, desenvolvidas na Espanha, despertaram um grande interesse no Brasil. A Escola da Vila, em São Paulo, assumiu um importante papel nesse momento, abrindo debates sobre perspectivas pedagógicas. Eram as bases da linha construtivista se firmando. O professor Virgílio passou a acompanhar essas discussões, inclusive participando de cursos de formação na Escola da Vila. Ficava evidente a necessidade de se definir um caminho pedagógico para escola e a opção foi abraçar as teorias construtivistas, que estavam em perfeita sintonia com o trabalho que, intuitivamente, já estava sendo implantado na OFICINA.

Como decorrência natural desse processo, foi necessário contratar a primeira coordenadora pedagógica, Mônica Dourado, recém formada pela FAE, que assumiria a responsabilidade de ajudar as professoras a compreender e implantar a nova pedagogia na escola. Configurou-se, então, a idéia da escola “alternativa”, com grande liberdade para as crianças, negação radical de todos os modelos e padrões “tradicionais”, não apenas para os processos de alfabetização, mas para toda a vida escolar.

Os personagens fantásticos se ampliaram na escola. Além do Menino Selvagem e o Homem da Capa Preta, agora as crianças conviviam com bruxas, fadas e o Velho da Pedreira, com seus mais de mil anos. As primeiras aventuras com esses personagens começaram a ser vividas. A valorização da cultura também já se configurava como uma característica da escola. Os alunos passaram a freqüentar museus e teatros. Algumas exposições foram montadas na própria escola, artistas eram convidados para trabalhar diante dos alunos. A cultura passou a ser cada vez mais “respirada” em todo o ambiente escolar. Implantamos também as aulas especializadas de artes e teatro. Ainda nesse ano, foi publicado o primeiro livro “Histórias da Oficina”, com produções de textos dos alunos. Mais uma idéia inovadora da escola!

Também foi em 89 que o uniforme (camiseta com a marca da escola) passou a ser exigido. Ao fechar o ano de 1989, nos sentíamos mais seguros, já caminhávamos com mais firmeza e formamos a nossa primeira turma de Educação Infantil. Foi decidido também, que haveria a continuidade da escola, avançando para o Ensino Fundamental. No final do ano, contávamos com 87 alunos, distribuídos em seis turmas, todas no turno da tarde.